Misturando massihiyin aos limites do Estado laico.” Revista Territórios e Fronteiras. 13:2,

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

Este trabalho indaga sobre a aparente "mistura" de massihiyin (cristãos em árabe), tanto da igreja ortodoxa do patriarcado antioquina quanto dos ritos maronita e melquita (ou oriental) que pertencem à igreja católica romana. Argumenta-se que a "mistura" significa não a diluição, mas a contenção e a conversibilidade da diferença. Por um lado, os maronitas, os melquitas e os ortodoxos de origem árabe adotaram o catolicismo de rito latino, protestantismo e em menor grau, espiritismo, umbanda e candomblé. Por outro lado, os brasileiros sem nenhuma ascendência árabe se converteram às denominações maronita, melquita e ortodoxa. A diferença cristã árabe é construída e contida no que o antropólogo Richard Wilk chamou de "estrutura da diferença comum". O conteúdo cultural assume uma forma "mutuamente inteligível," se variável, na chamada "mistura". Em vez de ser um benefício ou direito outorgado do Estado laico, a construção minoritária desses e outros sujeitos revela a própria contradição ainda não-resolvida do laicismo.
Original languageEnglish (US)
Pages (from-to)99-114
Number of pages15
JournalRevista Territórios e Fronteiras
Volume13
Issue number2
StatePublished - Dec 31 2020

Keywords

  • Christian Arabs
  • secularism
  • Brazil

Cite this